Liga Narrativa (Abr – Cyberpunk): “O Futuro não É mais como Era Antigamente.”

Liga Narrativa, Abril de 2010.

Membro: Juca 999, de Duque de Caxias – RJ, representando Juca’s Blog

Tema: Cyberpunk (que virou Vida Cyberpunk para alguns)

Título: “O Futuro não É mais como Era Antigamente.”

Era uma vez uma raça bípede que evoluiu e dominou seu mundo. A raça era a humana e seu mundo era a Terra. Tudo era sempre pouco em sua visão gananciosa, a ponto de desejar também o que havia fora do planeta. Pouco se avançou nesse sentido. A busca pela tecnologia perfeita para alcançar outros mundos – e subjugar parte da sociedade – teve reflexos perturbadores: perdemos a luz do Sol (nossa maior fonte de energia), catástrofes devastadoras se abateram e a superpopulação – com sua violência implícita – ameaçava os ricos e poderosos; resumindo, o caos.

Países inteiros foram varridos por terremotos e ondas colossais. Nacionalidades deixaram de existir. Foram criadas as cidades sitiadas onde trancavam as pessoas entre muros imensos, reinando a anarquia. De tempos em tempos o Governo oferecia vacinas em algumas das cidades sitiadas, um gesto de “preocupação”. Mas o povo ignorante não sabia que era apenas um jeito de esterilizar a população e, dependendo do comandante da operação, até matar.

Nenhuma onda de robôs autossuficientes atacou a humanidade, ao contrário do que sugeriram superproduções cinematográficas. A inteligência artificial não evoluiu como se esperava, mas as máquinas estavam por toda parte e até os pobres as conseguiam num mercado alternativo. Descobrimos que aqueles papéis que tanto idolatrávamos só serviam para acender fogueira, no entanto. Devido à enorme quantidade de doenças sexualmente transmissíveis, sexo era quase proibido, virando uma grande moeda de troca e tornando a prostituição um negócio absurdamente rentável – para  cafetões e cafetinas, claro.

Pouco a pouco o cotidiano das pessoas que “mereceram” ser cidadãos – ou seja, não irem para um campo de concentração ou serem mortos – mudava. Sob um céu cinza e contaminado tudo era medido pelo microchip sob a pele da mão direita: seus créditos para comprar ração e roupa, sua conduta, hierarquia social, parentesco; tudo. Através desse chip um funcionário governamental sabia tudo a respeito de alguém, podendo complicar sua vida se quisesse. Uma peculiaridade: nunca mais vi canhoto nem deficiente físico. Os fanáticos religiosos alegaram que o tal chip era a “Marca da Besta” profetizada há séculos. Besteira. Nada é mais bestial que o ser humano. Também não vi mais religiosos por aí. Particularmente, nem sinto falta.

Espero que se você puder compreender estas palavras, passe-as adiante. meu fim se dará antes da primeira pessoa acessar este arquivo. Posso afirmar que lutei enquanto pude respirar, mesmo que alguns irmãos humanos não mereçam a liberdade. Faça por merecer a sua vida e sobreviva. Se um dia o Sol voltar a brilhar, não deixe que o apaguem novamente…

– Cristine! Desplugue logo esse drive do cérebro! Está há mais de três horas visualizando arquivos. Você acha que é um robô para aguentar tanto tempo assim? Aposto que é lixo das ruas. Adolescentes…

– Tá bom, mãe! Tô parando. Vou dar uma volta!

– Menina! Está cheio de baderneiros no entorno. Leve sua arma. Toma juízo!

Com arma em punho e o plugue cerebral fervilhando junto com sua mente, Cristine olhou para a cidade de forma diferente: já não via mais tanto sentido em prédios, naves e criaturas robóticas. Sob o céu cinza descobriu que queria algo como nunca desejou em sua vida.

– Ei, Cristine! A galera vai fazer um racha daqui a pouco. Bora lá?

– Não dá. Tenho uma coisa importante pra fazer.

– Sério? E o que seria essa coisa?

– Revolução.

*****

*Veja outros Joes e Sues trabalhando neste projeto:

Beholder não Tem Bunda! (Jacker):

Brainstorm (Allana Dilene): Synthetics (24/abr)

Dois Contos (Elisa Gen): Extinção eminente (10/maio)

Dois Contos (Dan Ramos): Frivolidade (24/abr)

Juca’s Blog (Juca 999): Liga Narrativa (Abr – Cyberpunk): “O Futuro não É mais como Era Antigamente.” (26/abr)

O Feudo (Mário Jagunço): Liga Narrativa – Abril: Caos 283 (23/abr)

Roleplayer (Marlon Armageddon):  Liga Narrativa – Abril (23/abr)

RPG do Mestre (Erick Patrick): Liga Narrativa – Quando as luzes se apagam (25/abr)

Taverna do Goblin (Goblin):

Anúncios

Sobre Jaime Rangel

Jaime "JJ" Rangel é um cara de Duque de Caxias (RJ), franco, tranquilo e desmemoriado. Gosta de levar inquietação às mentes alheias (antes através do Juca's Blog e Roleplayer). Prefere 10 inimigos sinceros a 1 amigo indeciso. Cuidado ao perguntar algo, ele responderá a verdade. E a verdade é sempre mais divertida (pra ele).
Esse post foi publicado em Liga Narrativa e marcado , , , , . Guardar link permanente.

5 respostas para Liga Narrativa (Abr – Cyberpunk): “O Futuro não É mais como Era Antigamente.”

  1. Pingback: Frivolidade « Dois Contos

  2. Jagunço disse:

    Inescrupulosamente bom, Bill. :)
    Penso seriamente em como vou mesmo criar meus filhos na possibilidade de certos contextos…

    Só separa o fim do conto da anotação sobre os outros contos da Liga – é que leitores semi-sóbrios como eu terão dificuldade em pegar a marca do final, que é metade da graça da leitura.

    Curtir

  3. Pingback: Extinção eminente « Dois Contos

  4. Pingback: Caos 283 « Cará-de-Asa

Sua Inquietação

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s